quinta-feira, 9 de agosto de 2012

ATENÇÃO, ACADÊMICOS DO CPTL/CPAR/CPNA ALGUMAS RAZÕES PARA CONTINUARMOS EM GREVE

O Governo Dilma tem quase 80 % de aprovação popular e se aproveita disso para vergonhosamente veicular mentiras, dizendo que os professores federais teriam recusado 45% de aumento. A verdade não dita pelo governo e a grande imprensa, é a de que este governo não vem escutando os professores e os técnicos das instituições federais de ensino, em greve, nacionalmente, há quase três meses. Conforme o governo Dilma, as negociações com os professores estão encerradas, pois o PROIFES aceitou o “acordo” de venda da alma ao diabo. Este que se diz Sindicato, não representa nem mesmo 5% da categoria de professores no Brasil. Sua prática de subserviência evidencia que é um Sindicato pelego, constituído no governo Lula para emperrar as ações da classe trabalhadora da educação. Infelizmente a diretoria da ADUFMS está atrelada ao PROIFES, o que sinaliza para o conservadorismo e o atraso desta Seção Sindical. Entretanto, as bases da ADUFMS tem se rebelado e mostrado a necessidade de denúncia dos acordos espúrios que vem sendo estabelecidos, à revelia da maior parte dos professores. Nós, da ADLeste (Seção Sindical do ANDES-SN), juntamente com muitos outros professores de vários Campi – e do Comando Estadual de Greve –, que têm participado da construção da greve desde o seu princípio, sabemos que não podemos nos calar diante desta situação. A posição da ADLeste, defendida em Assembleia aberta a todos os professores, é a de que a decisão dos professores, em assembleia, de permanência da greve é soberana, independentemente da orientação conservadora da diretoria da ADUFMS e do PROIFES. Temos construído o ANDES–SN em Mato Grosso do Sul, com a cabeça erguida e queremos que os acadêmicos saibam que a greve, num tempo indeterminado, não interessa a ninguém. Queremos que o governo retome as negociações, partindo da premissa do respeito à categoria dos professores. Não podemos nos limitar ao acordo de esquartejamento da categoria centrado em tabelas salariais. As discussões que permeiam as condições de trabalho e o Plano de Carreira não podem ser remetidas à indefinição dos Grupos de Trabalho. A greve nasceu pela ineficácia do governo em de fato atuar no GT Carreiras montado em 2011. Na educação federal (IFMS e UFMS em Três Lagoas) a proposta veiculada pela mídia do reajuste de 45% não é verdadeira! O “aumento” que dizem conceder até 2015 acumulará perdas de até 8%, pois será parcelado nos próximos três anos e destinado, em sua maior parte, a uma minoria dos professores, desconsiderando ainda a desvalorização e a inflação do período. Dilma e seus representantes do Ministério do Planejamento e do Ministério da Educação alegam que o impacto do aumento aos cofres públicos será de R$ 4,2 bilhões, mas não dizem que a Medida Provisória 559, já aprovada pelo Congresso e aguardando sanção da presidenta, concederá R$ 15 bilhões às faculdades particulares, sob a forma de renúncia fiscal. Ao tomar esta posição de desrespeito à categoria, o governo Dilma não está interessado em defender o direito dos brasileiros de estudarem em boas instituições de ensino federais. Continuamos em greve defendendo a educação pública, lutando por uma carreira única de professor federal para todas as instituições federais (Universidades, Institutos e Colégios Federais), por melhores condições de trabalho e pela definição de data base para reposição da inflação nos salários. A pauta local, que cobra soluções para problemas estruturais da UFMS, vem sendo debatida com a administração da Universidade. Três reuniões foram realizadas com a Reitoria, e até o momento apenas uma com a direção do CPTL. Seguimos cobrando uma posição da direção do CPTL quanto aos pontos levantados pelo Comando Local de Greve. Pedimos a compreensão dos estudantes, esperando contar com o seu apoio, pois para nós, professores, os acadêmicos são a razão de existirmos enquanto categoria. A GREVE É FORTE! O MOMENTO É AGORA! Comando Local de Greve

4 comentários:

  1. Podem sair na porrada com o governo Federal see quiserem. A verdade é que os senhores são um bando de e#$$% e Gan@##$s. Só pensam em si mesmos. Mas, tomarei medidas Gravíssimas para Arrancar meu diploma Universitário na força Bruta

    Me Aguardem...

    "Boca do Inferno"

    ResponderExcluir
  2. É... se ganharem o aumento que querem, voltam correndo pra sala sem querer saber nem se tem giz pra usar... piada vcs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lourival dos Santos15 de agosto de 2012 23:32

      Prezado Cristianno:

      Como acadêmico você deve ler mais e se informar sobre a pauta de reivindicações. Muitos colegas seus estão nas ruas conosco brigando por moradia estudantil, contratação de professores, melhoria de biblioteca e de infraestrura.
      Estude, leia jornal e deixe de falar besteira.

      Prof. Lourival dos Santos (História/CPTL)

      Excluir
    2. Espero que o governo de aumento,pois estou cansado de aulas mediocres!!!Isso só mostra que o importante é só no final do mês...Piada,vai trablhar em empresa privada"CAPAZ"!!!

      Excluir