sábado, 1 de setembro de 2012

EM ASSEMBLEIA PROFESSORES DO CPTL DECIDEM: GREVE CONTINUA POR TEMPO INDETERMINADO ACOMPANHANDO O CALENDÁRIO DE MOBILIZAÇÃO NACIONAL

Em assembleia, professores da UFMS/CPTL decidem que a greve continua em consonância com o movimento nacional e os demais campi da UFMS. Como é sabido, a greve é nacional e é nesse contexto que os professores se mobilizaram desde o início da greve em Três Lagoas no último dia 12 de junho. A data de 31 de agosto, prazo limite para que o Executivo envie ao Legislativo a proposta orçamentária para 2013, não é suficiente para que desistamos de nosso pleito, que sabemos justo, por plano de carreira digno e por condições de trabalho efetivas que resultem em melhores condições de ensino, pesquisa e extensão. A greve certamente terminará um dia, entretanto nosso movimento pela qualidade da universidade pública não cessará, nunca. O término da paralisação, quando ocorrer, deverá ser também em caráter unificado, acompanhando o calendário da mobilização nacional. Os professores decidiram ainda intensificar a negociação da pauta local junto a Reitoria e as direções dos campi.

11 comentários:

  1. Falta de respeito com os alunos formandos. Assim como os professores tem direito a greve, temos direito a se formar. O período sem trabalhar por parte dos professores, podem causar danos reversíveis a classe, porém a nós concluintes são irreversíveis.Perderemos oportunidades profissionais e academicas. No final das contas, diferente de greve em fabricas, onde os proprietários tem prejuizo, nesta greve os afetados são os alunos e o governo, não esta preocupado, conforme vemos sua atitide pacifica.Queremos garantir nosso direito de se formar! SOMENTE ISTO! Será que respeitar este anseio de milhares de alunos, afetará tanto esta mobilização que vem se estendendo a nível nacional?

    ResponderExcluir
  2. Que direito o funcionário publico (muito bem remunerado e com muito mais direitos do que um cidadão comum) tem de acabar com o sonho de um pai e ter seu filho formado? O Aluno sai de um vestibular com muita carra, vontade de vencer e depois de muitos meses de ferias forçadas começa a se tornar um simples festeiro sem rumo! Voces sao os responsáveis por estes garotos(as).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não coloque a responsabilidade dos seus filhos festeiros e sem prioridades em cima dos professores. Lembre-se, um dia, após formados (isso se seu filho se formar, já que prefere festa e farra) muitos alunos se tornarão funcionários públicos. Quando eles estiverem por anos sem reajustes, quero que você olhe para ele e diga "Você não tem direito a greve, mesmo que você tenha estudado por anos e se preparado pra isso, você ganha bem demais pra reclamar".

      Excluir
  3. E o nosso direito a Educação como fica? Os nosso projetos de vida, o nosso futuro? Os professore em sua maioria estão bem ou mau empregados, com um salário. E quem tem que ir em busca do emprego ainda? Eles não estão pensando nos milhares de estudantes que estão prejudicando. Acredito que quando se escolhe essa profissão de professor deve-se ter consciência das dificuldades, entretanto há muitas vidas, destinos de pessoas nas mãos destes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero sinceramente que você não se torne um funcionário público. Não negue o direito de luta, um dia você poderá precisar dele.

      Excluir
  4. Santa ignorância, Batman!

    "quando se escolhe essa profissão de professor deve-se ter consciência das dificuldades"

    Então os professores insatisfeitos que procurem outro emprego? aí sim que vai ser ótimo! em vez de perder um semestre, os alunos perderão no mínimo um ano, até achar outros professores, que já estão em falta e os atuais trabalhando ACIMA da carga horária pra compensar essa falta.

    Muda pra uma universidade particular então e resolva seu problema, afinal: "quando se escolhe um serviço público deve-se ter consciência dos riscos da greve".

    ResponderExcluir
  5. o nome disso é ignorancia!
    acredito que se todos tivesse nos lugares daqueles que estudaram uma vida inteira, como os professores com mestrasdos doutorados e até mesmo pós doutores, e estivesse recebendo o salário que eles estão, e com aquelas condições de trabalho que todos nós sabemos que não é nem um pouco agradavel estariam fazendo greve, e talvez o movimemnto estivesse começado antes...
    Greve é um direito de todo trabalhador para que possa melhorar as suas condições. O nosso problema não é com a universidade, nem com os professores, o nosso problema infelizmente é com alguém que simplismento não esta perto pra nos ouvir, e ainda assim quando os nosso gritos de ajudar chegam até ela, ela simplismente vai pra Londres.... reclamam com o governo que não valoriza a educação...

    ResponderExcluir
  6. O pior de tudo é que quando decidirem voltar da greve,ficaremos aqui estudando no Natal Ano novo enfim, e que Dicentes como eu, de cidades de fora tem que ficar sem ver a familia por causa desse movimento que infelismente não vai render muita coisa não, acham que o governo vai da muita vantagem a esse tipo de situacão sendo que tem muita outras coisas para se preocuparem por que a educacao desse paíz infelismente ta virando isso aí? motivo de paralização não só na educação como na segurança também, eu entendo que deveria ter mais investimentos na educacao, más quantas areas hoje em dia no brasil tem desigualdade salarial? se formos pensar por esse lado todo paíz poderia esta em greve, portanto tente um movimento mais justo ou pelo menos deixe alguns se formar e deem continuidade aos semestres do ano letivo por que e fhoda ficar aqui so acopmpanhando negociações quer nao dão em nada.

    ResponderExcluir
  7. Prezado "Anônimo" (lamentável pessoas que não dão a cara a tapa).

    Seus erros infelizes (com z!) de português indicam a urgência da defesa pela educação e melhoria da qualidade de ensino. Nosso país (com S!) não merece mais acadêmicos como você e por isso precisaríamos sim de uma greve nacional.
    Pela qualidade na educação o movimento seguirá sempre e muito além da greve.

    Prof. Dr. Lourival dos Santos (HISTÓRIA-CPTL)

    ResponderExcluir
  8. Luka Simões Boisa6 de setembro de 2012 12:11

    Engraçado como os formandos estão pouco ligando para a qualidade da universidade que estudam, como se a única coisa importante no mundo fosse o diploma que estão prestes a ter em mãos.
    eu também sou acadêmica, e também passo pelas mesmas consequências por esse atraso nas aulas. Mas serei mais prejudicada ainda se a educação continuar como está.

    ResponderExcluir
  9. Quais os principais problemas do Câmpus de Três Lagoas:
    Falta de professores


    Falta de moradia


    Biblioteca inadequada

    Acesso a internet


    Falta de pavimentação


    Falta de funcionários


    Instalações indadequadas


    Falta de restaurante universitário

    QUE A GREVE CONTINUE !

    ResponderExcluir